Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais
Opinião

Vocação e vocações

24 de Novembro de 2013

Estamos a celebrar a semana dos seminários e isto remete-nos para o tema das vocações. Lamento que cada vez mais a palavra vocação apareça com uma conotação negativa. Porque quando se fala das vocações, é quase sempre pela falta ou diminuição delas. O que é a vocação? Para responder correctamente a esta questão é importante distinguir vocação e vocações.

Vocação é o chamamento de Deus para uma missão ou um serviço a concretizar. Pelo batismo todos somos chamados à vocação universal da santidade. E quando existe um chamamento tem que haver uma resposta livre, corajosa e sincera. É esta resposta que determina o nosso agir e testemunha, ou não, o grau de adesão à vocação dos baptizados de viver e anunciar Cristo, e como o fermento na massa ajudar a construir o Reino de Deus na terra.

É grande a vocação para a qual Deus nos destinou. Será igualmente grande e empenhada a nossa resposta? Deus destina-nos sempre para grandes projectos, somos nós que nem sempre respondemos com a mesma generosidade!

Por outro lado, quando falamos de vocações, referimo-nos às vocações específicas como o matrimónio, o sacerdócio ministerial, a vida consagrada e os ministérios laicais. Também estas vocações têm origem em Deus, que chama, e concretizam-se numa resposta que o ser humano é convidado a dar, na liberdade, consciência e fidelidade.

Em comum, vocação e vocações têm a iniciativa de Deus através do mistério de um amor gratuito, e uma resposta livre de adesão aos projectos de Deus.

Não podemos reduzir este tema apenas a simples escolhas, pois trata-se da dimensão fundamental da existência humana.
Responder à vocação para a qual Deus nos chama é o caminho da felicidade e da realização pessoal. É pena que nas famílias e nas escolas se foi deixando de falar de vocação para adotar o critério de escolha em vista de maior rentabilidade ou menor esforço. Por vezes escolhe-se mais em função da saída profissional ou do que é mais fácil. E as consequências fazem-se sentir na nossa sociedade.

É importante recuperar o tema da vocação e das vocações como perspectiva pedagógica e educacional no delicado processo do crescimento humano e do equilíbrio de uma sociedade humana e espiritualmente realizada.