Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais
Opinião

O descanso começa por dentro

22 de Julho de 2019

O verão já chegou. Para muitos é tempo de férias. Mas descansar é muito mais do que um compromisso que se põe na agenda. É uma atitude. Um estilo. Uma arte.

Não é verdade que, talvez demasiadas vezes, o nosso ritmo de vida é exageradamente apressado, agitado e ansioso? Não nos assemelhamos a uma ambulância, em habitual serviço de urgências, apetrechada de sirene, pedindo a todos que se desviem? A costumada pergunta: - Então a tua vida corre bem? não é a constatação de que vivemos mesmo a correr?
Os dias que tivermos a graça de fazer férias deverão ser um ensaio de um ritmo pacífico, sereno e descontraído, vivido no quotidiano da nossa vida comum, com trabalhos e intervalos, com encontros e momentos a sós.

As férias ideais não são as que se passam numa ilha encantada do Oceano pacífico, hospedados num hotel de muitas estrelas. A ilha de sonho e o hotel esplendoroso são o nosso coração pacificado e amoroso, dedicado e serviçal. É que as férias começam por dentro. Levamo-nos para férias inteirinhos. Somos a bagagem essencial que dá qualidade às nossas férias. Cada um tem o descanso que é. As circunstâncias ajudam, mas são apenas o complemento do que somos. Importa investir na qualidade do nosso interior, dos nossos afetos, dando espaço a “um coração novo e um espírito novo”.

“Quem quiser ter saúde no corpo, procure tê‑la na alma” (Francisco Quevedo, 1580‑1645). O nosso dentro é a fonte de todo o bem, é a nascente da ordem no amor, da caridade discreta e ordenada. O nosso fora é a fachada que deve corresponder sempre mais ao nosso interior. Também neste contexto, é oportuno recordar o que nos diz Fernando Pessoa: “É em nós que é tudo. É ali, ali, que a vida é jovem e o amor sorri.”

Recordemos que, se quebramos um ovo, a partir de fora, morre um ovo. Mas se um ovo é quebrado a partir de dentro nasce uma nova vida. Um pintainho vem à luz do dia. Há que começar as férias por dentro, renascendo na paz.

Descansar não é abandonar‑nos à preguiça. Fazer férias não é estacionar no parque da pasmaceira e do marasmo. Não é resignar-nos a não fazer nada. Descansar é organizar‑nos na paz interior, no equilíbrio, na harmoniosa dedicação aos outros. Nesta linha, cito o testemunho da Irmã Sofia que, uma vez encontrando, no Carmelo de Coimbra, a Irmã Lúcia, a vidente de Fátima, lhe fez esta espontânea observação: - A Irmã Lúcia está sem fazer nada! Ao que ela retorquiu: - Eu não estou sem fazer nada. Eu estou a descansar e por isso em seguida poderei trabalhar melhor. Eu estou ocupada a descansar. Ou seja, para a Irmã Lúcia, descansar é uma boa ocupação útil e proveitosa. E para nós, descansar é perder ou empatar o tempo? Ou é ganhar por meio de uma feliz e pacificadora ocupação?

É significativo encontrar, na Bíblia, Deus apresentado como o inventor e o santificador do descanso: “Concluída, no sétimo dia, toda a obra que tinha feito, Deus repousou no sétimo dia, de todo o trabalho por Ele realizado. Deus abençoou o sétimo dia e santificou-o, visto ter sido nesse dia que Ele repousou de toda a obra da criação” (Ex 2, 2-3). Cristo explicitamente faz a apresentação de si próprio como fonte de descanso: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, que Eu vos aliviarei... Aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração e encontrareis descanso para o vosso espírito” (Mt 11, 28-29).

Aproveitamos os tempos de oração como repouso no Deus da paz e da consolação? Nesta linha nos recomenda o Papa Francisco: “Enquanto nos meses de verão procurarmos um pouco de descanso do que cansa o corpo, não nos esqueçamos de encontrar o verdadeiro alívio no Senhor” (2017.07.16). O Pe. António Vieira sabiamente nos adverte que o descanso deve ser procurado no lugar certo, no amor que pacifica e anima: “A razão por que não achamos o descanso é porque o buscamos onde ele não está.” O descanso encontra-se dentro.