Opinião

O sonho de São José

18 de Março de 2015

Esta semana, no dia 19 de março, celebramos a solenidade litúrgica de São José e também o dia do Pai.

O esposo de Maria não tendo sido pai biológico de Jesus, foi um verdadeiro pai e é modelo de paternidade.

De um momento para o outro viu a sua vida cheia de surpresas e contratempos. Primeiro um anjo diz-lhe: «Levanta-te, toma o Menino e a sua Mãe e foge para o Egito.» Depois apareceu-lhe novamente e disse-lhe: «Levanta-te, toma o Menino e sua Mãe e vai para a terra de Israel.» E a seguir «avisado em sonhos» - certamente também por um anjo - «retirou-se para a região da Galileia e foi morar numa cidade chamada Nazaré», conforme nos narra o Evangelho segundo São Mateus.

São José realizou o seu próprio sonho protegendo e fazendo crescer Jesus. A sua vida foi o seu sonho, a razão pela qual viveu e orientou a sua existência. Mas um sonho que se foi revelando e realizando aos poucos, obrigando-o a dar um salto de qualidade na fé. Teve que aprender a abandonar tudo para poder ser o pai adotivo de Jesus e o esposo de Maria. Isto exigiu-lhe coragem e disponibilidade. Manteve sempre o seu olhar dirigido para Maria e Jesus, e os seus ouvidos atentos ao que o Pai lhe sugeria através dos anjos.

Imaginemos como São José terá sentido todo o peso da sua inadequação a esta missão. A partir de uma leitura humana e racional foi conduzido a uma leitura profética dos acontecimentos. Mas diante da sua situação ele decide acolher a palavra de Deus, aceita mudar os seus projetos e descentrar-se de si mesmo.

São José poderia ter-se sentido traído na honra, ofendido no amor, ferido no orgulho. Mas agiu de uma forma delicada e respeitosa. Por isso é chamado nos evangelhos «homem justo».

Deus pediu-lhe muito e ele, porque amou, deu-se. Não é, afinal, este o caminho para felicidade? Sereis felizes pais se o imitardes!