Notícias

16/Fev

- Maria José Paschoal apresentou «Cartas que a oração escreveu»

O memorial da irmã Lúcia, em Coimbra, recebeu, na passada segunda-feira, a apresentação do mais recente livro do Pe. João Luís Silva. Foram muitas as pessoas que encheram a sala para conhecer em primeira mão as Cartas que a oração escreveu.
 
A atriz Maria José Paschoal apresentou esta obra do «amigo», Pe. João Luís Silva, e lembrou que «foi a irmã Lúcia que os uniu». Maria José Paschoal declamou várias passagens do livro, uma vez que isto é «o que sabe fazer, que é a sua profissão». «Não sou oradora, não sou escritora, não sou crítica literária e muito menos de parte religiosa. Não percebo nada, nem de uma coisa nem de outra. Por isso vou fazer o que sei, que é ler algumas passagens do livro do Pe. João Luís.» No fim da leitura das passagens que escolheu, a atriz destacou que o «talento literário do Pe. João Luís é evidente, não só na prosa mas também na poesia. E sempre com inspiração divina, inspiração em Deus, tal como Teresa de Jesus ou João da Cruz.» Maria José Paschoal deixou, por isso, um desafio para que o autor continue a escrever a sua «prosa poética».
 
Também presente na apresentação, o Pe. José Carlos Nunes, diretor-geral da PAULUS Editora, manifestou a alegria pela «providência» de que o livro tenha sido apresentado no memorial da irmã Lúcia, no dia em que se encerrou o processo diocesano da sua beatificação. Destacando a «escrita simples, acessível a todos e a espiritualidade e profunda devoção mariana» do autor, o Pe. José Carlos Nunes recordou que Cartas que a oração escreveu é já o quinto livro de autoria do Pe. João Luís Silva, editado pela PAULUS Editora. A estes irá juntar-se a Corrente de oração pelo Papa, «um livro de que irão ouvir falar nos próximos tempos», referiu o sacerdote paulista, antecipando a saída o novo livro do Pe. João Luís Silva, «muito brevemente».
 
Para o autor, «este livrinho nasceu da oração» tal como tudo o que «na nossa vida é importante».
A primeira carta à irmã Lúcia foi escrita «há 17 anos, no ano 2000», após a beatificação dos pastorinhos Francisco e Jacinta. Depois desta foram muitas as cartas envidas pelo Pe. João Luís Silva à irmã Lúcia. «Eu sabia que ela lia estas cartas e que rezava por estas intenções. Para mim bastava, nunca pedi para a ver. Porque eu sabia que o mais bonito era saber que nos encontrávamos neste amor de Deus que se traduz na oração», afirmou o autor, numa apresentação emocionada e recheada de episódios importantes da sua vida. Para o Pe. João Luís Silva, «este livro é exigente», porque contém aquilo que se propunha a viver e «agora as pessoas conhecem-no e não posso viver o contrário». O seu desejo é «que este livro seja também um testemunho vocacional para aqueles que buscam Deus e para que todos se sintam tão amados pela mãe de Jesus, como eu me sinto também».
 
O livro está disponível em todas as livrarias e online em www.paulus.pt.

Veja aqui as fotos deste lançamento:

«Cartas que a oração escreveu»